Tod@s pela Inclusão, Diversidade e Equidade

Notícias
Entrevista Brasil Diverso
Artigo publicado originalmente https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/11/13/70-dos-paulistanos-dizem-que-racismo-contra-negros-se-manteve-ou-aumentou-nos-ultimos-10-anos.ghtml

70% dos paulistanos dizem que racismo contra negros se manteve ou aumentou nos últimos 10 anos

Por Tatiana Santiago, G1 SP

 

Pesquisa da Rede Nossa SP mostra percepção sobre preconceito e discriminação na cidade de São Paulo. Percepção é maior entre pretos e pardos.

Pesquisa da Rede Nossa São Paulo divulgada na manhã desta terça-feira (13) mostra que 70% dos paulistanos avaliam que o preconceito e a discriminação contra a população negra se mantiveram igual ou aumentaram nos últimos 10 anos na cidade de São Paulo.

A percepção de que a discriminação aumentou é maior entre os entrevistados pretos e pardos. Segundo a população negra, o racismo aumentou para 39% dos ouvidos. Já para 38% dos não negros, o racismo se manteve no mesmo patamar e para outros 19% diminuiu.

“Isso mostra que, de alguma forma, o paulistano em geral percebe a presença do preconceito e do racismo na cidade de São Paulo. É notório que a população negra é a que mais sente, por isso tem uma percepção maior”, afirmou Américo Sampaio, gestor de projetos da Rede Nossa SP.

Perfil dos entrevistados que avaliam a discriminação contra a população negra na cidade de SP — Foto: Rede Nossa SPPerfil dos entrevistados que avaliam a discriminação contra a população negra na cidade de SP — Foto: Rede Nossa SP

Perfil dos entrevistados que avaliam a discriminação contra a população negra na cidade de SP — Foto: Rede Nossa SP

Os paulistanos das regiões Central e Sul são os que mais consideram que o preconceito contra a população negra se manteve, 45% dos entrevistados, enquanto para os da Zona Oeste, que diminuiu (35%).

O perfil dos entrevistados que acham que o racismo aumentou é formado por jovens de 16 a 24 anos (42%), mulheres (37%), mais pobres (37%) e da classe C (35%). Para Sampaio, o perfil mostra justamente a população mais vulnerável. “A pesquisa revela que é o perfil é muito estereotipado e são os segmentos que mais percebem o racismo”, declarou.

A diferença no tratamento de pessoas é mais acentuada entre os que se autodeclaram pretos ou pardos, principalmente nem locais relacionados ao comércio e prestação de serviços, como lojas, restaurantes, bares, cinemas, supermercados e farmácias.

“O preconceito sempre acaba sendo do outro, o paulistano acaba tendo esse perfil dúbio”, disse Américo Sampaio.

Percepção de racismo contra população negra dos paulistanos — Foto: Rede Nossa SPPercepção de racismo contra população negra dos paulistanos — Foto: Rede Nossa SP

Percepção de racismo contra população negra dos paulistanos — Foto: Rede Nossa SP

Mercado de Trabalho

Para 2/3 dos entrevistados, as pessoas negras têm menos oportunidades no mercado de trabalho ou no próprio ambiente de trabalho do que as pessoas brancas. Entre os negros e pardos, 73% acreditam que existe discriminação nas oportunidades. Já entre os brancos, 60% acreditam que há preconceito na hora de contratar uma pessoa com pele escura.

Moradores das regiões Oeste (71%) e Sul (70%) são os que mais afirmam que pessoas negras têm menos oportunidades no mercado de trabalho do que pessoas brancas.

Dois terços dos paulistanos acreditam que população negra tem menos oportunidades no trabalho — Foto: Rede Nossa SPDois terços dos paulistanos acreditam que população negra tem menos oportunidades no trabalho — Foto: Rede Nossa SP

Dois terços dos paulistanos acreditam que população negra tem menos oportunidades no trabalho — Foto: Rede Nossa SP

Você também pode gostar

Notícias

Encontro sobre empoderamento negro e feminino é realizado em Salvador Evento acontece no dia 24 de novembro, a partir das 14h, no Mercadão CC, localizado no Rio

 Por G1 BA 21/11/2018 17h50  Atualizado há 15 horas Para fechar a semana da consciência negra, será realizado no sábado (24),...

Leia mais

Notícias

Mercado de trabalho ainda é excludente para negros no Brasil

Enfrentar estatísticas, preconceitos, um mercado de trabalho excludente e falta de oportunidades educacionais: essa é a realidade da população...

Leia mais

Comentários

comentários