Tod@s pela Inclusão, Diversidade e Equidade

Dando o exemplo
Entrevista Hamalli Alcantara

Marca anuncia que não vai mais contratar modelos brancas

Medida adotada pela MOGA quer colocar em debate o racismo da indústria da moda

A MOGA é uma marca australiana especializada em lenços de cabeça e xales que tem em seu DNA o comprometimento com questões sociais – tanto que um dos seus itens mais vendidos é um tecido com as cores da bandeira do arco-íris feito em comemoração à legalização do casamento homoafetivo na Austrália.

Agora, a empresa tomou uma decisão impactante: ela não irá mais contratar modelos brancas para suas campanhas. “Fiz esta regra para ser o ponto inicial de um debate que acho muito importante: raça e sua representação na indústria da moda”, explica Azahn Munas, fundador da marca, para a Teen Vogue. “Quero explorar a noção do ‘poder branco’ na moda e porque tantas pessoas estão perpetuando este conceito – conscientemente ou não. Embora ela seja excludente a primeira vista, é em nome da inclusividade. Queremos alcançar pessoas que não são representadas na indústria.”

A nova regra foi divulgada durante a uma ação da MOGA que procura modelos para o próximo ano. Podem participar mulheres de todo o mundo, com ou sem experiência prévia, de todos os tipos de corpos e todas as raças – só não podem ser brancas caucasianas. “Desculpa, meninas, achamos vocês absolutamente lindas mas, infelizmente, essa não é para vocês”, diz o texto.

Para explicar melhor este posicionamento, a marca publicou um vídeo, feito com bonecas em stop motion (em inglês e sem legendas). “É importante falar sobre assuntos que não estamos confortáveis, e raça é uma delas. E quanto mais falamos destes assuntos como sociedade, mais perto chegamos de entender a complexidade deles e avançar para nos tornamos mais respeitosos e inclusivos.”

Will YOU be the next face of our fierce and fabulous movement?

Posted by MOGA on Sunday, July 15, 2018

 

Você também pode gostar

Artigos

Mulheres crescem em mercados majoritariamente masculinos

Ao entrevistar Martin Iglesias, especialista em investimentos do Itaú Unibanco, foi possível perceber o crescimento surpreendente de mulheres que...

Leia mais

Notícias

Mercado de trabalho ainda é excludente para negros no Brasil

Enfrentar estatísticas, preconceitos, um mercado de trabalho excludente e falta de oportunidades educacionais: essa é a realidade da população...

Leia mais

Comentários

comentários