Tod@s pela Inclusão, Diversidade e Equidade

Boas Práticas
Entrevista Brasil Diverso
Artigo publicado originalmente Época Negócio - https://epocanegocios.globo.com/Carreira/noticia/2018/08/precisamos-encorajar-talentos-sairem-das-periferias-diz-rachel-maia.html

Precisamos encorajar talentos a saírem das periferias e buscarem as grandes empresas”, diz Rachel Maia Empresária compôs a mesa de discussão sobre o Panorama Mulher 2018, que analisou a presença das mulheres na presidência das empresas

“Somos as mesmas em várias batalhas.” Foi o que disse Rachel Maia, ex-CEO da Pandora e um dos principais símbolos de representatividade feminina e negra em grandes empresas, sobre o pequeno número de mulheres negras na plateia. A empresária foi uma das convidadas da apresentação do Panorama Mulher 2018, estudo da Talenses e do Insper que concluiu que apenas 18% das empresas brasileiras têm mulheres como presidentes.

“Nós nos fortalecemos vendo umas às outras”, completou. Essa, segundo ela, é a resposta para quem pergunta sobre as mazelas que sofreu e sobre como conseguiu fazer a diferença. “O que me fez estar na mesa com investidores foi o meu currículo. O que me fazia querer ir para o hotel e ficar fechadinha era ser a única. Nós precisamos ver os nossos para nos fortalecer.”

Uma mudança no cenário depende, principalmente, da mudança de mentalidade das empresas e da sociedade. Mas a coordenadora também aponta as mulheres como agentes de transformação – e Rachel Maia concorda. “Nós não precisamos necessariamente dizer que eles têm que nos engolir, e eles não têm que nos aceitar em função do gênero. Precisamos mostrar, através de qualificação, o porquê de devermos sentar nessa principal carreira.”

Isso, segundo ela, também se aplica à raça. Mais do que impor a presença, seria necessário mostrar que ela está ausente – as causas para isso, porém, seriam “outra história”, incluindo fatores sociais e a necessidade de empoderar jovens periféricos. “Precisamos encorajar talentos a sairem das periferias e buscarem as grandes empresas”, defende.

A empresária explica que as mudanças não dependem apenas de convicções e boa vontade. Em muitos casos, um presidente se depara com gestores que não se convencem da importância das medidas. “Muitas vezes é a caneta que tem que falar. As coisas são impositivas no início para que eles façam que ela entre e acelere”, diz. Estar presente, mostrando por que e como colocá-las em prática, seria um fator ainda mais decisivo.

Em entrevista a Época NEGÓCIOS, ela falou sobre a experiência que teve ao incluir pessoas com deficiência nas lojas da Pandora, quando ainda era CEO. “Eles diziam ‘e se tivermos que carregar caixa?’, e eu dizia ‘se vocês têm sete na loja, coloquem os outros seis para carregar'”.

Em relação à presença feminina, Pedro Pittella, diretor de RH da Sanofi no Brasil, também apontou a necessidade de as ações irem além das políticas da empresa. Segundo ele, garantir que em todo painel de seleção haja ao menos uma mulher como entrevistadora é uma das medidas possíveis. O estudo do viés inconsciente é outra delas. “Estamos fazendo treinamentos sobre isso para todos os times de RH e está sendo muito interessante. Nós começamos a nos dar conta do que não sabíamos, e é muito mais do que fato sabíamos.”

Por fim, Rachel Maia aponta que o princípio de respeito é o ponto inicial de tudo. “Muitas vezes você tem que impor essa questão de respeitar o próximo para que, daqui um tempo, ela seja default [padrão]”.

Você também pode gostar

Notícias

Mercado de trabalho ainda é excludente para negros no Brasil

Enfrentar estatísticas, preconceitos, um mercado de trabalho excludente e falta de oportunidades educacionais: essa é a realidade da população...

Leia mais

Artigos

A Copa da Diversidade

Mauricio Pestana 04/07/18 – 19h12 – Atualizado em 04/07/18 – 20h00 Uma das frases que costuma encerrar meus depoimentos...

Leia mais

Comentários

comentários